• Paula Mai

É #FAKE que vacina da Pfizer terá chip da Microsoft para prevenir efeitos colaterais

Pfizer afirma que é falsa a informação de que houve atualização na formulação da vacina com a implantação de um chip da Microsoft. Anvisa concedeu registro definitivo para a vacina, com análise detalhada da eficácia e segurança.


Circula pelas redes sociais uma mensagem que diz que a Pfizer anunciou a atualização da vacina Covid-19 e que ela agora inclui um chip da Microsoft para reduzir os sintomas. É #FAKE.

Em nota, a Pfizer desmente a mensagem falsa. "Com relação às informações que têm circulado em redes sociais e aplicativos de mensagens sobre a vacina ComiRNAty, contra a Covid-19, produzida pela Pfizer e BioNTech, esclarecemos: é falsa a informação de que está havendo atualização na formulação da vacina com a implantação de um chip da Microsoft no produto."

A farmacêutica destaca que a frase que tem viralizado foi utilizada em "um veículo que publica sátiras e ironias e está sendo utilizada em redes sociais e aplicativos de forma descontextualizada".

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu em fevereiro registro definitivo à vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 e garantiu que o "imunizante do Laboratório Pfizer/BioNTech teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa".

O diretor da Anvisa Romison Mota destacou na época que o registro sanitário de um imunobiológico ou qualquer outro medicamento é a chancela de um órgão regulador sobre a qualidade, a eficácia e a segurança desse tipo de produto. Durante a análise de um dossiê de registro são realizadas avaliações minuciosas, por especialistas, de todos os documentos e estudos que o compõem, como, por exemplo, das informações sobre o desenvolvimento farmacotécnico, do relatório técnico do produto (características de qualidade, dados de fabricação, controle de qualidade e estabilidade) e do relatório de experimentação terapêutica (ensaios não clínicos e clínicos).


Ainda de acordo com ele, essas avaliações são pautadas em marcos regulatórios e legislações vigentes, além de referências bibliográficas científicas, nacionalmente e internacionalmente reconhecidas. A Anvisa ainda participa dos mais importantes fóruns internacionais de discussão técnica, como do Conselho Internacional para Harmonização de Requisitos Técnicos de Produtos Farmacêuticos para Uso Humano.

Uma checagem feita pela Reuters aponta que o artigo falso foi publicado originalmente em um site de sátiras e acabou sendo reproduzido por outros sites como se fosse uma notícia verdadeira.

Especialistas já explicaram ao Fato ou Fake que não há chip em vacinas nem financiamento de vacina não líquida que instala chip em pessoas, tampouco chip líquido e inteligência artificial para controle populacional.


Fonte: G1

39 visualizações0 comentário